fbpx

Como montar uma sala de aula colaborativa

Como montar uma sala de aula colaborativa

Precisamos de uma mudança radical no processo de ensino e aprendizagem, para que a escola volte a ser um local prazeroso para nossos jovens alunos. Uma solução para isso são as salas de aulas colaborativas.

Como montar uma sala de aula colaborativa

Só conseguiremos transformar o ambiente escolar em um local de satisfação quando os alunos perceberem que o modelo pedagógico vivenciado por eles faz sentido, traz novos conhecimentos e se vincula ao mercado de trabalho do futuro.

Quais mudanças devem surgir?

É necessário educar os jovens para o trabalho colaborativo, segundo Pedro Demo: “essa saudade do gênio individualista está sendo questionada em nome do trabalho em equipe” (2009 p.3).

Claro que o processo de mudança educacional passa por uma reforma no currículo escolar e nas políticas públicas, mas se esperarmos que tais instâncias realizem estas mudanças o “bonde” da história já terá passado.

carteiras-tradicionais

Uma grande mudança pode ser feita no formato da sala de aula. As salas de aulas tradicionais são formadas por carteiras, uma atrás da outras, distribuídas em fileiras, tendo o professor e todo seu aparato pedagógico à frente. Mas este modelo já está sendo suplantando, em boa parte dos países que lideram o ranking mundial de educação. a grande tendência do momento é o estudo colaborativo, com as chamadas salas de aulas colaborativas.

 

 

sala-de-aula-colaborativa

Neste modelo o professor é um mediador entre o aluno e o conhecimento, e na maioria das vezes a construção do conhecimento é feita de maneira coletiva, com os alunos distribuídos em grupos, que podem ser flexíveis, variando de tamanho, e de funções. Um grupo pode ter três alunos pesquisando um assunto, o outro pode ter cinco criando um material, e assim sucessivamente.

 

 

Benefícios da sala de aula colaborativa

1. Diversidade nos processos de aprendizagem

Com a era das redes sociais e salas de aulas colaborativas, quebrou-se a barreira de onde e quando o aluno pode estudar. Uma vez com acesso à internet e entrando em grupos, blogs e fóruns os estudantes atuais podem tirar dúvidas, ajudar um colega e participar de discussões acerca de um assunto.

Essa facilidade que as novas tecnologias nos trazem é bem-vinda, pois acrescenta nos métodos de estudos. Ficar sentado por horas dentro de uma sala de aula, olhando para o professor não é mais o único modo.

2. Mais confiança ao aprender e ensinar

Geralmente, nos identificamos mais com pessoas com perfis parecidos com os nossos. Entre os estudantes essa “regra” também se aplica. Eles tendem a se sentir mais à vontade com um colega de sala para tirar suas dúvidas do que com o próprio professor.
Quando vários alunos se unem com o mesmo objetivo a energia liberada por eles é inacreditável. Pessoas mais propícias a ensinar sentem-se mais libertas para ajudar quem mais precisa. Os mais necessitados de ajuda podem contar com mais membros, além do professor.

E com as tecnologias atuais, entramos no mesmo ponto de que quebramos barreiras dos momentos em que essas dúvidas serão tiradas, e onde. E justamente por toda essa interação a confiança em aprender e ensinar sobe de maneira significativa.

3. Aprimoramento da qualidade de educação

A sala de aula colaborativa proporciona novos caminhos de ensino e aprendizagem. Com essas novas metodologias, podemos aperfeiçoar o processo educacional, formando não somente alunos, mas novos educadores.

A ampliação da sala de aula para fora do ambiente escolar, influencia nessa evolução uma vez que os métodos digitais são mais motivadores e significativos.

Então podemos concluir que:

O importante é romper com a ideia de que o conhecimento só pode ser transmitido pelo professor, com a sala em pleno silêncio e todos realizando a mesma tarefa.

Quanto mais movimento e criação melhor, e se as salas de aula contarem com carteiras móveis, que se encaixam umas nas outras, o trabalho docente se torna muito mais fácil.

+ VEJA TAMBÉM Tendências de tecnologias educacionais para 2019

Termino esta matéria parafraseando Elaine El Badouy Cecchettini, apud Veras: “Este é um momento polifônico, de vozes que precisam se juntar. Os professores ainda estão num modelo criado no século XIX, o de prisão e igreja, no qual o professor é um pregador e a interatividade é mínima. Mas a era polifônica obriga que o ambiente seja interativo. Eles precisam se abrir para as novas tecnologias e novas formas de pluralidade”. (2011)

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Receba nossos artigos por email