fbpx

Sala de aula invertida, ensino híbrido e modalidade EAD: tudo que você precisa saber

sala de aula invertida

A ideia de sala de aula invertida ou flipped classroom é algo novo e pensado de acordo com a realidade dos tempos modernos. Os hábitos mudaram em diversos sentidos, inclusive na educação. Conceitos novos precisam ser pensados e analisados, como a sala de aula invertida.

Continue a leitura para saber o que é e como surgiu a sala de aula invertida, conhecer exemplos, saber como a metodologia é aplicada na prática e entender os benefícios do modelo de aprendizagem.

O que é a sala de aula invertida ou flipped classroom?

A sala de aula invertida é mais simples do que o nome indica e tem vários benefícios na aprendizagem. Imagine uma aula de Língua Portuguesa, por exemplo. Será a vez de aprender sobre acentuação tônica. Oxítona, paroxítona e proparoxítona. Hoje em dia, comumente, o professor prepara o material e o aluno fica sabendo sobre o conteúdo junto com todos os colegas. Alguns já podem ter visto o assunto em algum lugar e outros nem saberem da existência da necessidade de classificar a acentuação das palavras. Uns terão mais facilidade, outros precisarão de mais atenção para entender. Mas o que todos terão de igualitário? O tempo para aprender o tema. E isso se aplica a todas as disciplinas.

Agora pense: e se o professor anunciasse o assunto com prévia? A ideia da sala de aula invertida é que o conteúdo que é aplicado na classe, seja visto em casa e antes. Quando o aluno chega na escola, ele faz o que atualmente é a tarefa de casa. Os estudantes têm mais argumentos. A troca de experiência entre os próprios alunos e os professores fica mais rica. Na sala de aula invertida, um aprende com o outro. Há mais liberdade com a aplicação do tempo. Um estudante que não é tão bom em matemática, mas se dá muito bem no português, pode se dedicar mais aos cálculos e administrar a duração necessária para cada estudo e aplicar a metodologia da sala de aula invertida para todas as outras matérias.

tipos de lousa interativa

Não confunda sala de aula invertida com ensino híbrido

Apesar do ensino híbrido e da sala de aula invertida terem alguns objetivos compartilhados, os métodos têm diferentes execuções. Entenda as principais.

Ensino híbrido e o conteúdo online

É uma mistura entre o aprendizado digital e a forma presencial. A ideia é combinar as aulas tradicionais com o ambiente onde o aluno vive. São usados vídeos, jogos, podcasts, leitura online, etc., que são acessados pela internet. O aluno tem esse plus à aula tradicional, uma semelhança com a sala de aula invertida. Ou seja, a aprendizagem é através da união das duas formas: online e fisicamente.

+ LEIA MAIS: Entenda a importância da tecnologia em sala de aula

Metodologia da sala de aula invertida: exemplos

A proposta da sala de aula invertida é trocar a ordem do aprender. Já a forma tradicional propõe que o aluno aprenda o conteúdo em sala com o material didático e depois faça tarefas em casa, a sala de aula invertida entrega ao estudante materiais que devem ser absorvidos fora da escola e por quanto tempo for necessário. Na sala de aula invertida, todos juntos estudam, discutem, argumentam e aprendem o que foi visto anteriormente, mas agora com a orientação do professor. Alunos e mestres têm acesso a um portal para troca de experiências e fóruns estudantis, dessa forma o conceito de sala de aula invertida também usufrui dos meios digitais.

Como surgiu o ensino à distância no Brasil

A sala de aula invertida e o ensino à distância podem parecer novidades, mas faz tempo que surgiram. No Brasil, o EAD começou a ser usado para a qualificação de profissionais em 1904. Nesta época, classificados do Jornal do Brasil anunciavam um curso de datilografia por correspondência. As aulas eram ensinadas por um guia em que o estudante fazia tarefas e exercícios enviados pelo correio.

Por volta de 1920, as aulas eram transmitidas pelas ondas dos rádios. A grande tecnologia do momento! O material começou a ficar mais robusto na década de 1980. Nesta época, além do material impresso, o aluno recebia também fitas (de áudio e de vídeo) e podia interagir via telefone para tirar dúvidas em questões mais complexas. Inconscientemente, a semente da sala de aula invertida era plantada: o aluno recebia conteúdo primeiro e depois tirava dúvidas.

tecnologia em sala de aula

Modelo atual: longe da sala de aula invertida e com desvantagens

Alunos enfileirados. Professor à frente de todos como o mestre do saber. Aulas padronizadas por tempo. Divisão feita por semestres e disciplinas. Pode soar estranho, mas o mesmo modelo usado atualmente, foi o retrato do século 19. Muito longe da ideia inovadora e já comprovada de sala de aula invertida.

Pesquisas mostram que 30% do conteúdo das atuais aulas expositivas são esquecidos duas semanas após ser colocado em estudo em sala. Outro ponto: antigamente, as descobertas demoravam anos para acontecerem, se tornarem públicas e serem estudadas. Hoje, o mundo é outro. Assim como a ideia de sala de aula invertida é diferente do que tínhamos no passado. Pense em como estavam as notícias neste mesmo mês do ano passado e compare com o agora. Muita mudança, não é?!

Continuar depositando ‘conhecimento’ no aluno não faz sentido. É preciso repensar a fórmula e analisar a possibilidade de aplicar teorias novas e mais próximas da nossa realidade, como a sala de aula invertida. A quantidade de informações de hoje é imensurável. Há acesso e tecnologia que não são explorados. É necessário pensar em um modelo em que o estudante acesse todo o conteúdo de forma constante, sem cansar, entendendo e colocando em prática na sua rotina atual ou do futuro que pretende seguir como carreira profissional. A sala de aula invertida proporciona vários desses pontos.

Lousa Interativa Tecnologia

A tecnologia no ensino e seus benefícios

A infraestrutura das instituições de ensino precisa acompanhar a metodologia de ensino de ponta.  Então, tanto os móveis quanto o projeto arquitetônico precisam estar adequados para receber os alunos que vão aprender em uma sala de aula invertida. Carteiras leves se movem com mais facilidade, lousas com tecnologia para atender atividades em grupo ou novos experimentos também fazem a diferença no momento do aprendizado.

Mas, é preciso entender que as novidades e melhorias físicas são como uma ponte para o estudo, porém não são o destino final da sala de aula invertida. De nada adianta ter tablets de última geração para os estudantes se a metodologia aplicada ainda é defasada. É necessário unir inovação de materiais com atualização pessoal de forma constante. Além do conteúdo pedagógico, é preciso ensinar como são as relações humanas na sociedade, na economia, na política. Mais uma vez a proposta da sala de aula invertida marca presença.

+ VEJA MAIS: Educação híbrida: nós acreditamos

Na teoria e na prática

A sala de aula invertida não faz parte da realidade de muitos colégios brasileiros, mas evasão escolar infelizmente sim. De acordo com uma pesquisa divulgada pelo IBGE em julho de 2020, das 50 milhões de pessoas com idade entre 14 e 29 anos, dez milhões não tinham sequer finalizada uma das partes do ensino básico. Isso representa 20% do montante.

Os motivos para o abandono da escola assuntam: precisar trabalhar e a falta de interesse. Faltam políticas públicas para que esses estudantes não precisem deixar os estudos para trabalhar, mas há uma lacuna para deixar a escola atraente. A sala de aula invertida permite transformar a escola em um ambiente eficiente, divertido e satisfatório.

Lousa-de-Escola-Integrada

Bom para a escola, melhor para o aluno

Há mais de dez anos em prática, a sala de aula invertida está associada ao melhor desempenho em avaliações, auxilia os alunos quando têm dificuldades, melhora a capacidade de aprender uma língua estrangeira, traz mais motivação para estudantes e mestres. O método da sala de aula invertida foi incluído em universidades, como Harvard, Yale, MIT e Stanford. A defesa é de Jonathan Bergmann, um dos criadores do método.

A MOVPLAN te ajuda na criação da sala de aula invertida

A MOVPLAN atua no mercado de educação há mais de 20 anos e passou por várias mudanças nesse período. Assim como o modelo de sala de aula invertida, aprendemos estudando os métodos de ensino e convivendo com professores, gestores, diretores, alunos, pais, pesquisadores… Por isso, atuamos em toda América Latina e estamos em mais de 20 mil salas de aula, das quais muitas aplicam o conceito de sala de aula invertida.

Quer saber mais sobre os componentes tecnológicos que ajudam o ensino ou sobre a sala de aula invertida? Ou quer tornar real na sua escola a teoria da sala de aula invertida? Fale conosco!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Receba nossos artigos por email